Trabalho escravo e financiamento de campanha

Como estamos na Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, resolvi fazer uma análise sobre o financiamento de campanha dos 29 deputados federais que votaram contra a PEC 438, que prevê expropriação de propriedades em que for flagrado o trabalho escravo. Analisando o financiamento de campanha desses deputados podemos tentar descobrir as influências existentes sobre suas opções políticas.

A análise que fiz foi a seguinte: pegamos todos os dados das campanhas de 2010, quando esses deputados foram eleitos. Desses dados, apenas as doações para candidatos foram consideradas; muito embora as doações para comitês ou partidos sejam também importantes, não temos como rastrear em que campanha cada real doado a um comitê ou partido foi parar. Além disso, consideramos apenas as doações feitas por pessoas jurídicas, já que nosso interesse é investigar o interesse privado, corporativo, por trás dessas doações. Por fim, recortamos os dados para incluir apenas os 29 deputados que votaram contra a PEC. (Dois deputados não foram encontrados nas prestações de contas de 2010: Bernardo Santana de Vasconcellos (PR-MG) e Irajá Abreu (PSD-TO). Isso pode ser devido a mudança de nome, por exemplo. Então, na realidade, estamos considerando apenas 27 deputados nesta análise).

Vejamos, abaixo, a lista das empresas que mais doaram para os deputados que votaram contra a PEC 438:

Razão social Doações Feitas (total)
1 Cosan S/A Indústria e Comércio R$ 550.000,00
2 Capemisa Seguradora de Vida e Previdencia S/A R$ 500.000,00
3 Construtora Quiroz Galvão S/A R$ 500.000,00
4 Bunge Fertilizantes S/A R$ 440.000,00
5 Associação Nacional de Armas e Munições R$ 350.000,00
6 JBS S/A R$ 350.000,00
7 Metropolitana Tratores Ltda. R$ 345.000,00
8 Gold Marrocos Emp. Imobiliários SPE Ltda. R$ 320.000,01
9 Banco BMG S/A R$ 317.000,00
10 Usina São Martinho S/A R$ 300.000,00
11 Construções e Comércio Camargo Correa S/A R$ 270.000,00
12 Gerdau Comercial de Aços S/A R$ 260.000,00
13 Sucocitrico Cutrale LTDA R$ 250.000,00
14 Carioca Christiani-Nielsen Engenharia R$ 200.000,00
15 CNEC – Engenharia S.A. R$ 200.000,00
16 Usina Colombo S/A Açucar e Alcool R$ 200.000,00
17 Unimed do Estado do Parana – Federação Estadual das Cooperativas Mistas R$ 180.000,00
18 Banco Cruzeiro do Sul R$ 164.000,00
19 Copersucar R$ 150.000,00
20 SLC Agrícola S/A R$ 150.000,00

Essa análise não nos permite dizer, evidentemente, que qualquer dessas empresas seja contra a PEC 438; talvez, se perguntadas, muitas dessas empresas diriam ser a fator da PEC. Mas a questão que temos de colocar e debater publicamente – e para isso serve a transparência dos dados – é a influência que essas empresas (e suas doações) efetivamente exercem sobre a sua política. Graças a essas doações, esses deputados puderam ser eleitos e puderam votar da forma que votaram. Afora os deputados, temos também o direito e o dever de cobrar dessas empresas explicações sobre as decisões políticas tomadas por deputados financiados com as suas doações.

PS: Você pode consultar as planilhas utlizadas aqui.

Compartilhe:

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Você pode usar os seguintes códigos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>